Colunas Dica do Cazolari Especiais

A importância de uma boa defesa

Compartilhe o link dessa notícia: https://yoksutai.com/yc6MU
É comum ouvirmos que determinados atletas são bons, porém não se defendem bem. Muitas vezes constroem uma luta toda e por um detalhe, um vacilo, colocam tudo a perder ou passam sufoco em lutas que poderiam ser tranquilas.
 
Nos esportes coletivos são comuns discussões sobre ataque e defesa. Torcedores, programas esportivos debatem números, estatísticas, lances.
 
Nos EUA torcedores vibram com a defesa, haja vista os exemplos do basquetebol e do futebol americano, esportes populares onde o sistema defensivo é extremamente valorizado, como na frase que Phil Jackson, treinador da NBA, do Chicago Bulls e Lakers eternizou: “Um bom ataque ganha jogos, uma boa defesa campeonatos”.
 
No meio das lutas podemos citar o pugilista Floyd Mayweather que recentemente fez a tal luta milionária, construiu sua carreira toda onde sua principal característica era se defender bem. Não era um cara com um punch forte, um nocauteador, porém, em suas lutas recebia pouquíssimos golpes limposm além de ter muita habilidade e precisão em seus contragolpes.
 
No Muaythai falamos muito em ser contundente, forte e machucar, mas pouco em não ser machucado. Lógico que se quer ganhar uma luta deve-se atacar e contundir, tá na regra! Mas o equilíbrio entre ataque e defesa, até que ponto se expor e se resguardar deve estar em seus estudos e treinamentos. E não vou aqui nem entrar no mérito de estilos de lutadores pois independente de qual seja, todos devem estar ligados nisso.
 
Cada atleta tem uma resistência maior para receber pancadas. Tem aqueles atletas que parecem que nunca se machucam, podem apanhar e descem do ringue inteiros, prontos pra próxima, atletas duros, bons para GP’s.
 
Já outros são mais frágeis e não estou falando mal. Frágeis no sentido do corpo ser mais frágil e não dele ser medroso, bundão ou algo do tipo. Atletas que se machucam com maior facilidade, tem menor resistência a dor, sempre aparece uma lesão, que não pode chutar um pouco errado que o pé já incha, bloqueia estoura a canela etc. Atleta que por melhor que seja funciona bem em luta casada mas se lutar um GP a chance de chegar bem numa final já diminuem.
 
Se defender bem é fundamental tanto para um quanto para outro. Ter uma boa defesa pode prolongar a vida útil, a carreira de um lutador, prevenir lesões e melhorar muito seu cartel. Quantos lutadores vemos pararem novos por conta de lesões que não os permitem mais treinar e lutar em alto nível. Ou lutadores que eram resistentes a pancadas na cabeça e que começam a tomar nocautes que antes não tomariam?
 
Os movimentos de defesa devem ser firmes e ao mesmo tempo suaves, mostrando consciência no que está fazendo. 
 
Os juízes estão analisando além de força equilíbrio, etc, analisam também sua linguagem corporal, seu corpo e seus movimentos conversam com os juízes, se faz cara de dor, medo, cansaço, eles percebem. Se você se encolhe ao receber um chute mesmo bloqueando, faz saídas desesperadas ele entende como se esses golpes do oponente estejam fortes, que estão te machucando e consequentemente corre na pontuação.
 
Para falar de defesa devemos ter em mente que todo golpe abre um contragolpe! 
 
Não tem como desferir um golpe sem que abra brecha para um contragolpe e é aí que entra o “Beabá” do esporte, entender a dinâmica e o porquê de cada movimento. Fundamentos que devem ser condicionados não só no começo mas durante toda carreira. Sabe aquele “quando bater o jab a mão do direto não pode descer”, queixo baixo, guarda sempre alta por exemplo? Então! Assim diminuir os riscos de receber esses contragolpes. 
 
Movimentos bem executados, noção de distância e lutar de OLHO ABERTO, conseguir ver o golpe vindo e mesmo se não der mais tempo de sair ou bloquear conseguir pelo menos travar os dentes e firmar o pescoço para não tomar aquele golpe inesperado onde geralmente são os que nocauteiam, aquele golpe que te tira o chão e não sabe de onde veio ou o que aconteceu. 
 
Ensinamentos básicos mas que estão cada vez mais sendo deixados de lado pela agressividade pura e burra. 
 
Eu procuro formar atletas de guerra, que andam e buscam. Gosto de ver lutadores assim e procuro fazer os meus dessa forma. Mas achar o ponto de equilíbrio entre ataque e defesa é fundamental. 
 
Ser agressivo com inteligência, sair na porrada mas sem se afobar, mas também não lutar com freio de mão puxado com medo de tomar golpe. É uma linha que só a experiência de luta vai te trazer e ainda muitos nunca chegarão a isso. 
 
Lutar de olho aberto, conseguir fazer uma leitura de seu adversário, antecipar seus movimentos, perceber seus cacuetes, vacilos e aproveitar da melhor maneira. 
 
Isso tudo vem com orientação no treino dentro da academia. 
 
Correções e fazer o atleta prestar atenção nesses detalhes durante o sparring. Vemos comandos de pads até bem feitos mas com foco apenas na força e equilíbrio, execução (que são extremamente importantes) mas pouco foco na correção dessa parte defensiva. Situações que são fundamentais para reproduzir durante a luta cada vez mais naturalmente e com segurança. Se bate aparador com a mão lá no umbigo porque acha que na hora da luta quando estiver com a adrenalina a mil ou cansado sua guarda vai ficar alta? 
 
Condicione seu corpo a fazer o certo SEMPRE, que nas piores situações, quando estiver no automático, ele agirá a seu favor e pode te salvar de ter a cabeça arrancada do pescoço. 

Felipe Cazolari
Segue lá

Felipe Cazolari

Professor de educação física, treinador do ano em 2016, fundador da Warm Up, constrói academia, é casado, e ainda cuida de 3 cachorros. Fale com ele no cazolari@yoksutai.com, ou no facebook aí do lado.
Felipe Cazolari
Segue lá
Vire Caveira

Comments

comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *